Bateu Bwe
Image default
Letras

Vamos falar sobre virgindade masculina

Desde que me conheço e sei coisas, bem como entendo que vejo coisas, um dos assuntos mais polémicos é sobre algo que envolva a ideia de um homem ser “virgem”, sobre a ideia de ter uma certa idade(e não só) e nunca ter feito sexo, lembro que em todas as rodas de amigos e na escola entre miúdos, chegava sempre esse tema, e nele perguntas como “como é que foi a tua primeira vez?”, “quantas damas já pegaste?” e até perguntas ligadas a como seria se sensação de “estar lá dentro”.

Lembro que essa ideia sempre me aterrorizou, a ideia de os meus amigos saberem que em determinado momento da minha vida eu ainda não tinha feito sexo com alguém, por isso menti várias e várias vezes sobre o assunto, na verdade até ter perdido a virgindade, só fazia isso e esperava ser convincente o suficiente para não ser alvo de piadas em que colocava em questão a masculinidade ou orientação sexual, ou até mesmo que me forçassem a fazer sexo por ser “a melhor coisa do mundo” e o pior é que isso não aconteceu só na vida adulta, até mesmo bem novo, tipo com 10 ou 9 anos eu já ouvia e sofria com isso, e falo especificamente sobre como isso afeta homens, por ter toda uma narrativa de que é errado um homem ser “inocente”, o que seria normal e até de louvar em mulheres segundo a sociedade.

 Os insultos eram de todos os lados, homens e mulheres colaboravam para linchar homens que nunca tinham feito sexo, e eu em particular, demorei muito tempo para me libertar da ideia que não era “errado” ser virgem, e lembro que eu fiquei indignado quando ouvi pela primeira vez alguém, num grupo de outros homens a dizer que isso era normal, fiquei chocado principalmente pela coragem, e comecei desde aquele dia a me sentir mais “normal”, e a deixar de lado a ideia macabra de que até uma criança devia fazer sexo o mais rápido só para ser “aceite”.

Eu perdi a minha virgindade num momento em que muito chamariam de “tarde” que foi em 2018 quando tinha 21 anos, e a coisa fica mais macabra quando as pessoas agem como se tivesse que ter “algum motivo” para isso, como se sexo fosse a única coisa da vida, e lembro que isso me fez passar horas a pesquisar como “ser mais atraente”, “como fazer as miúdas gostarem de ti” ou até mesmo a considerar pagar para ter sexo, não por eu não sentir bem na altura por ser virgem, mas por toda a pressão que existia, para ser outra pessoa, para ser alguém que se obriga a ter relações sexuais.

 Hoje penso nisso e vejo o quão nojenta era essa ideia de te relacionares com alguém ou de te abrires para uma experiencia do género para atender as expectativas dos outros, o quão nocivo isso é para a cabeça de um adolescente que só quer se divertir com outras coisas, e agora só me sinto a vontade para escrever sobre isso, por ter percebido que há mais miúdos que podem estar a passar por isso, e só queria dizer para eles que isso é NORMAL, é normal ser virgem com 10 ou com 50 se quiseres, se não te sentires à vontade ou preparado de alguma forma, e se alguém te julga por isso, essa pessoa é estupida e devias ter melhores companhias, pessoas que realmente te respeitam, e respeitam o momento em que estás.


Por: Akira Manzambi

Revisão: Narciso Drake

Artigos semelhantes

Livro publicado de vaquinha do público leitor faz alegria da editora Elivulu

Ildo Espinha

Beni Dya Mbaxi “Biografia”

Ildo Espinha

Carlos Evaristo homenageia os levarteanos

Ildo Espinha

Comente

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceito Saber Mais

Privacidade & Politica de Cookies
Conteúdo protegido