Bateu Bwe
Image default
Música

Joffre revela que a perda da mãe o tornou rapper

O fazedor de trap Jofre é um artista de nacionalidade angolana que evoluiu no mercado musical entre os anos 2018. O artista entregou-se ao mundo musical após a morte de Miclina de Andrade Lorenço sua progenitora.

Em entrevista ao portal Bateu Bwé o artista confessa ser impirado por Yola semedo uma das divas do musical angolano, Joffre disse: “Para fazer musica desde já a minha inspiração vem da diva  Yola semendo pela dedicação e alma que ela põe na música,  passei a escrever e a cantar após a morta da minha mãe, ela era o meu diário então eu precisava desabafar foi quando lancei a música intitulada (Novo Eu)” Joffre.

O feed back recebido pelo primeiro single o motivou a trabalhar, até fazer o lançamento da EP (1% de mim) onde trabalhou com  Ceno G PRO LOCK e no seguimento de trabalho recebeu o convite da distribuidora AG agenciamentos e da Dino Music  no qual recusou de imediato por ter uma visão de trabalho a solo, mas o desgaste falou mais alto e o artista juntou-se com a “Carto Músic” produtora de Roger Telas e afirmou Joffre:

“Quando me juntei a carto music Roger Telas que também troduzia para TRX Music, fiz a musica “Receita” foi bom até DJ Ritchially reagiu positivamente no sound Cloud apartir daí recebi e fiz várias participações musicais, lancei o single  “23 a noite” com Dério Blim do Kwanza Norte e depois assino com AG agenciamentos, Em 2020 recebi um convite para participar no  evento outubro Rosa e partilhei palco com Gigantes da musica angolana, assim como: Preto show, fabio Dence e outros e daí o nível de seguidores começou a crescer até nas plataformas digitais e até hoje vêm elogio de diversas pessoas até mesmo artistas”.

O artista que nas plataformas digitais atende o nome de @joffre7oficial garantiu mandar mais trabalhos musicais de impacto social e que estará disponibilizado nas suas redes sociais.

Artigos semelhantes

Yuri da Cunha no modo interprete canta Teta Lando

Ildo Espinha

Novo single de Aline Frazão considerado “uma canção urgente e carregada de esperança”

Bateu Bwe

“se a geração que ouvia André Mingas, deixou o país nessas condições. Imagine o que fará a geração que ouve Scró Q’Cuia e Nerú Americano” Texto de Opinião

Ildo Espinha

Comente

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceito Saber Mais

Privacidade & Politica de Cookies
Conteúdo protegido