Bateu Bwe
Image default
Letras

Resumo “Investimento directo estrangeiro (IDE) – Impacto Económico e Social”

Jacob Pinto Moisés, fez parte da nova geração de quadros angolanos formados no interior do País e pertencem ao primeiro grupo de Licenciados da Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto em 2007, defendeu a dissertação de mestrado em Administração de Negócios, convénio entre Instituto Superior Técnico de Angola –ISTA e Florida Christian University – FCU em 2013, e apresentou tese também em Administração de Negócios convénio entre Instituto Superior Técnico de Angola –ISTA e American Liberty University – ALU em 2016.

Esta sua obra escrita, diga-se de passagem, com assinalável desenvoltura, debruça-se sobre Investimentos Directo Estrangeiros em Angola, impacto económico e social entre 2011 a 2016.

Nesta tese, estruturada em quatro capítulos, o autor , começa por historiar a origem da investigação e o problema a ser estudado “sobre Investimentos Directo Estrangeiros em Angola, impacto económico e social entre 2011 à 2016” bem como, os objetivos de nidos para o estudo e as hipóteses a validar.

O autor procura dar-nos uma compreensão sobre os contributos teóricos do tema a internacionalização de Investimentos Directos Estrangeiros, processos de internacionalização – condicionantes, motivações e fatores, grau de internacionalização de uma organização ou de um território, fatores e motivações indutoras da internacionalização, condicionantes da internacionalização, teorias da internacionalização, a internacionalização baseada no investimento direto estrangeiro.

O autor entende que investimento directo estrangeiro (IDE) é reconhecido pelos vários pelo Estado, como um dos principais pilares do desenvolvimento económico, neste sentido, deve existir política de atracção de investidores estrangeiros, sendo uma componente importante
desta política a atribuição de incentivos fiscais, justificados pelas externalidades positivas que o investimento estrangeiro pode gerar no país.

A terceira parte da obra aprofunda a discussão do tema sob titulo o investimento privado em angola, a situação económica em angola, a nova lei do investimento privado em angola, caracterização da evolução do investimento direto estrangeiro em angola, o impacto do investimento directo estrangeiro na evolução económica e social de angola.

O autor entende que angola é um mercado de inúmeras oportunidades para investidores, apesar de terem pela frente riscos e desafios diversificados e complexos, devido principalmente à burocracia, a corrupção e a instabilidade da moeda nacional gerado sobretudo nos últimos anos pela ausência de divisa.

E é fundamental que na actual conjuntura económica internacional angola mostre capacidade para atrair ao seu território investimento directo estrangeiro que, proporcionando o desenvolvimento de novos clusters e a emergência de sectores estratégicos, permitirá igualmente reabsorver mão- de-obra desempregada, empregar mão-de-obra jovem e, paralelamente, gerar valor acrescido.

A quarta e última parte debruça-se essencialmente e de forma assaz rica a perceção dos gestores sobre o investimento direto estrangeiro em angola, auscultamos a opinião dos dirigentes de empresas que investiram em angola e procuramos validar os fatores determinantes para o ide e condições existentes para o investimento no nosso país. para tal, construímos um questionário que contou com a participação de diretores de 85 empresas estrangeiras de capital português e chinês e com sede em luanda.

Dispõe das mais importantes reservas de recursos naturais desde petróleo, gás, diamantes, uma bacia
O autor entende e na óptica dos gestores de empresas auscultados que angola vive uma estabilidade política,
hidrográfica rica, clima favorável para uma grande variedade de culturas fruto do seu solo arável, mas a corrupção, o excesso de burocracia, a deficiente qualificação da mão – de – obra, a deficiente rede de infraestruturas de transporte, elevados custos com a energia e água, continuam a ser as principais barreiras ao investimento directo estrangeiro.

A obra compacta, polémica e problemas complexos sobre
condicionantes, motivações e fatores, de atracção de investimentos directos estrangeiros em angola, e reconhece-se que o investimento directo estrangeiro é importante, para o desenvolvimento económico, porque para além contribuir para o crescimento económico, induzi conhecimento e tecnologia capaz de gerar efeitos externos que promovam o aumento da
produtividade da economia.

By: Jacob Pinto Mo

Artigos semelhantes

Se potencializarmos o capital humano teremos um país do 1°mundo

Ildo Espinha

SEXTA FEIRA 13 – A tragédia do cachorro

Ildo Espinha

Quem é preguiçoso ou parasitas vira mendigo

Ildo Espinha

Comente

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceito Saber Mais

Privacidade & Politica de Cookies
Conteúdo protegido